18

07 / 2017

Lugares irados no mundo para se visitar, mas não pode ter medo de lugares fechados

Claustrofobia é o medo extremo de estar em ambientes fechados.

Neste post, listamos alguns destinos para claustrofóbico nenhum querer chegar perto. O que é uma pena, pois nessas atrações é possível visitar uma caverna com entrada vertical, em um rapel negativo, em Bonito; e conhecer uma cachoeira de 20 metros de altura com acesso pelo interior de uma caverna, no extremo nordeste de Goiás.

No exterior, visitamos também um curioso museu dedicado à Guerra Fria que fica dentro de um banker, no Canadá; mergulhamos sob as ruas de Budapeste, na Hungria; e até jantamos dentro de um corredor de lava vulcânica, na Espanha.

BONITO (Mato Grosso do Sul)

Famoso por suas flutuações em rios de águas cristalinas, Bonito também se exibe debaixo da terra.

Nesse destino, a 265 km da capital Campo Grande, são 78 cavernas mapeadas, formando um conjunto rochoso de 600 milhões de anos.

ABISMO ANHUMAS (Mato Grosso do Sul)

A 23 km do centro de Bonito, essa caverna com entrada vertical tem acesso obrigatório por um rapel negativo (quando não se coloca os pés em nenhum local de apoio), com 72 metros de profundidade até a plataforma flutuante sobre o lago dentro do abismo.

TERRA RONCA (Goiás)

 

Localizado no extremo nordeste de Goiás, Terra Ronca é cenário de uma das experiências de aventura mais fascinantes, em território brasileiro. Essa região de mais de 600 milhões de anos abriga quase 300 cavernas, no Parque Estadual de Terra Ronca (PETeR).

São tantas e ainda tão desconhecidas que tem caverna que está sendo mapeada desde 1973, como a Lapa de São Vicente, com mais de 13,5 km de extensão – considerada a 6ª mais longa do Brasil e dona de 12 cachoeiras em seu interior, onde dá até para fazer rapel em um paredão de 40 metros de altura.

CATACUMBAS DE PARIS (França)

BUDAPESTE (Hungria)

A Molnár János Cave, em pleno centro de Budapeste, é um impressionante sistema de cavernas alagadas que, desde 2015, é explorado por uma operadora que organiza mergulhos para visitantes intrépidos (e certificados).

De águas cristalinas e mornas, que variam entre 20° C e 28° C, o local abriga 400 metros de passagens que cruzam formações naturais de calcário, em diferentes roteiros guiados.

Foi daqueles corredores subterrâneos que se retirou material para a construção de alguns dos mais icônicos edifícios da capital húngara.

Fonte: MSN

Deixe um comentário