04

01 / 2017

Arqueólogos descobrem cidade perdida de 2.500 anos na Grécia

Uma equipe internacional de arqueólogos da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, começou a explorar uma antiga cidade da Grécia clássica, de 2.500 anos, chamada Vlochós, que até agora havia passado despercebida porque se pensava que era um enclave sem importância do mundo antigo. No entanto, a descoberta de novos vestígios pode alterar o conceito existente sobre essa área. O lugar explorado é uma cidade praticamente desconhecida, a 300 quilômetros ao norte de Atenas, localizada ao redor e sobre a colina Strongilovoúni, que faz parte das grandes planícies da Tessália. Os vestígios encontrados pertencem a vários períodos históricos.

Entre eles, destacam-se na colina a praça de uma cidade e um bloco de uma rua, indicando que era um grande centro urbano. “A área que está localizada dentro da muralha tem mais de 40 hectares”, diz Robin Rönnlund, estudante de doutorado em arqueologia clássica e história antiga da Universidade de Gotemburgo e líder do trabalho de campo. O pesquisador diz que a colina guarda muitos segredos, porque foram encontrados vestígios de torres, paredes e portas da cidade, mas a maioria desses restos está enterrada no subsolo. O objetivo da equipe é evitar as escavações e usar outros métodos, tais como radar de penetração de solo, para evitar danos à área. “Como os vestígios são abundantes, gostaríamos de registrá-los antes de iniciar qualquer escavação”, diz Rönnlund.

Além dos vestígios da cidade, a equipe encontrou fragmentos de cerâmica e moedas que podem ajudar a datar a época do lugar. “As descobertas mais antigas datam de cerca de 500 anos a.C., mas o auge da cidade parece estar entre o quarto e o terceiro século antes de nossa era. Parece que depois foi abandonada, talvez por causa da conquista romana da região”, explica Rönnlund. Segundo o pesquisador, o que mais chamou sua atenção foi o tamanho do assentamento e sua pitoresca localização, nas vastas planícies da Tessália. “A cidade antiga deve ter sido muito proeminente e visualizável em toda a região”, diz Rönnlund.

A exploração faz parte do Projeto Arqueológico de Vlochós (VLAP) e é uma colaboração entre o Instituto Sueco de Atenas e o serviço arqueológico local, de Cardítsa. O trabalho de campo foi realizado durante duas semanas em setembro por uma equipe internacional da Universidade de Gotemburgo e da Universidade de Bournemouth, com o objetivo de explorar os vestígios para verificar sua importância.

“Muito pouco se sabe sobre as antigas cidades da região, e muitos pesquisadores acreditavam até agora que a Tessália ocidental era parte de um remanso sem importância durante a antiguidade”, afirma Rönnlund, esclarecendo que os vestígios explorados já são conhecidos há bastante tempo por parte das autoridades locais, mas, apenas depois de uma investigação mais sistemática, a natureza exata do enclave foi conhecida. O projeto, portanto, preenche assim uma lacuna sobre as informações disponíveis da região, e os pesquisadores dizem que ainda há muito a ser descoberto em solo grego.

O pesquisador conta que descobriu o lugar com um colega, enquanto trabalhavam em outro projeto no ano passado, e foi quando perceberam seu grande potencial. “O fato de que ninguém jamais tenha explorado a colina é um mistério”, diz Rönnlund. O pesquisador diz que a zona oeste da Tessália é muito rica em arqueologia, como pode ser visto no Museu Arqueológico local, de Cardítsa, e que tanto arqueólogos gregos quanto estrangeiros estão trabalhando muito para descobrir todos os segredos desta paisagem antiga. “Pode haver mais vestígios nas proximidades”, diz.

O arqueólogo disse não acreditar que os resultados deste projeto grego-sueco-britânico alterem a história, mas garante que demonstram definitivamente que a região da antiga Tessália foi muito rica e importante. “E não o contrário, como se pensava até agora”, conclui o pesquisador.

Fonte: MSN

Deixe um comentário